quinta-feira, janeiro 31, 2013

Homem de Área

Os Homens de Área (Roustabouts), cuja aspiração profissional é muitas vezes tornarem-se plataformistas, guindasteiros ou mecânicos, trabalham na movimentação de cargas junto ao guindasteiro e sob o comando do contramestre de movimentação de cargas; efetuam serviços de limpeza e manutenção geral do convés principal e auxiliam, eventualmente trabalhos na sonda de perfuração. Trata-se de atividades fatigantes e muito perigosas, exigindo grande atenção e conhecimento de inúmeros procedimentos de segurança. O termo roustabout foi pejorativamente abrasileirado para arrasta baldes, uma vez que lavar o convés é parte do trabalho dos homens de área. O Contramestre de movimentação de cargas (CMM) coordena, na área externa, a movimentação de cargas, em contato com a sala de controle, o almoxarife, a sonda e os rebocadores. O mesmo deve ter muita habilidade para acomodar na plataforma uma grande quantidade de materiais em um espaço exíguo, o que exige freqüentes movimentações de cargas.

O salário de um Homem de Área varia de R$2.000 a R$3.500 dependendo da empresa.

Ingressar como Homem de Área é uma vantagem pois é uma função onde as exigências para contratação são poucas. Não é exigido ensino superior e a maioria das vezes também não é necessária experiência, e esse período como Homem de Área, é um bom tempo para você conhecer e decidir pra onde ir. É muito importante realizar um curso teórico para ter noções básicas.

Por este motivo desenvolvemos um dos melhores cursos com todas as informações necessarias para preparar o aluno para exercer suas atividades na movimentação de cargas seguindo as normas de segurança, com todas as informações necessárias sobre a função, curso totalmente OnLine “Curso Homem de Área Plataformas de Petróleo”, Saia na frente para você conseguir a tão importante oportunidade e dai pra frente é só aproveitar as oportunidades que surgirem. Este curso tem sido a porta de entrada para quem deseja trabalhar embarcado ou mesmo para quem não tem experiência e deseja adquirí-la mesmo trabalhando on-shore como Aux. de Movimentação de Cargas.

quarta-feira, janeiro 30, 2013

Suspensor de coluna (TH)

Sua função é alinhar o bore de 4” e receptáculos da DHSV em relação à saída das linhas e fluxo, auto orientando-se (range 180) na bucha helicoidal da base adaptadora de produção durante a instalação.

Prover orientação para ANM (ajuste fino nos castelos) e interface com a coluna de produção, duas linhas de controle da DHSV e conector elétrico do PDG.

Prover perfil de assentamento de plug ou coletor de detritos na linha de produção.

Promover a vedação do anular do poço, após retirada da ANM ou ferramenta do suspensor em conjunto com a VDV instalada no bore de 2”ou pela válvula “AI” da BAP.

Ferramenta do suspensor (THRT)

Travar no suspensor, possibilitando operar na descida ou retirada, sem requerer pressurização constante nas funções hidráulicas.

Prover acesso ao bore de produção e receptáculos da DHSV.

Travar e destravar o suspensor de coluna no perfil interno existente no mandril através de acionamento hidráulico.

Fonte: Petrobrás

Brasil Offshore 2013

O evento atraiu em 2011, uma visitação superior de 52.000 profissionais e 700 expositores, sendo 155 internacionais

Macaé (RJ) - Brasil Offshore Feira e Conferência Internacional da Indústria de Petróleo e Gás, é realizada a cada dois anos em Macaé, base das operações e responsável por mais de 80% da exploração Offshore do Brasil.

Consolidado no mercado com mais de 10 anos de existência, o evento é organizado e promovido em conjunto pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, IBP- Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis e SPE - Sociedade de Engenheiros de Petróleo.

O evento permite que profissionais de E&P busquem e discutam novas tecnologias de exploração e produção, debatam novas ideias e descubram as soluções que os permitam observar o potencial do mercado Offshore brasileiro.

A diversidade de expositores combinada à visitação especializada e ao alto poder de decisão resume a receita do sucesso da terceira maior feira da indústria offshore do mundo. Quem faz a afirmação são os 855 expositores nacionais e estrangeiros e os 52.000 visitan­tes que participaram do evento em 2011.

Ficha Técnica:

Nome: Brasil Offshore
Feira e Conferência da Indústria de Petróleo e Gás

Data: 11 a 14 de Junho de 2013

Local: Macaé Centro - Macaé/RJ

Acesso dos Visitantes: Credenciamento online gratuito ou convite de expositor

Pré-sal aumentou o número de profissionais estrangeiros, diz Firjan

Para o presidente em exercício da Firjan, Carlos Mariani Bittencourt, o novo fenômeno da imigração de mão de obra apresenta desafios cruciais que o país precisa ultrapassar.

Rio de Janeiro (RJ) - Foi realizada nesta terça-feira (29), na sede das Federações das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), o seminário “Política Migratória, Produção e Desenvolvimento”, promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha.

Para o presidente em exercício da Firjan, Carlos Mariani Bittencourt, o novo fenômeno da imigração de mão de obra apresenta desafios cruciais que o país precisa ultrapassar.

“Nos últimos dois anos, houve 64% de aumento de profissionais expatriados no Brasil, sobretudo no setor de petróleo e gás devido à descoberta do pré-sal. A entrada de estrangeiros para suprir necessidades eventuais é bem-vinda”, declarou Bittencourt, que disse ainda que o estado do Rio está sofrendo muito com a burocracia para a concessão de vistos de trabalho para estrangeiros.

De acordo com Bittencourt, o Brasil precisa suprir a demanda de engenheiros na área de petróleo e gás. Em seguida, afirmou que o Rio de Janeiro foi o estado que mais concedeu vistos à trabalhadores estrangeiros em 2012.

Presente no Seminário, o ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da República, Moreira Franco afirmou que, para compensar a escassez de profissionais qualificados, especialmente nas áreas técnicas, é necessário facilitar a vinda de estrangeiros gabaritados para o país.

Na ocasião, o ministro lembrou o discurso de posso do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama sobre a manutenção da política migratória no país. Segundo Moreira Franco, a ampliação de mão de obra qualificada estimula o aumento da produção e facilita a incorporação de novas tecnologias e inovação.

“Precisamos ter uma sociedade mentalmente aberta e o debate sobre política migratória deve passar pelo plano político”, destacou o ministro.

terça-feira, janeiro 29, 2013

OSX será maior estaleiro das Américas

Início de operações ocorrerá em 2013

Danilo Baptista, diretor da Unidade de Construção Naval Açú, do OSX, maior complexo de construção naval das Américas, informa que o estaleiro, situado no Norte fluminense, deverá iniciar operações ainda em 2013. A empresa é do grupo EBX, do bilionário Eike Batista. O estaleiro ficará ao lado de um condomínio industrial, de onde virão energia e aço para o empreendimento.

O cais terá 2.400 metros em sua primeira fase e, depois, chegará a 3.525 metros. O início da construção ocorreu em julho de 2011 e, graças a ritmo frenético, o início efetivo de operações deve ocorrer nos próximos meses. O estaleiro está em operação plena em meados de 2014. A coreana Hyndai é acionista minoritária e, no momento, 80 técnicos estão na Coréia do Sul. O estaleiro terá condições de produzir, ao mesmo tempo, 11 plataformas móveis (FPSO) e oito fixas. No momento, o grupo tem encomendas de 23 unidades, dos quais 18 serão feitas em Açu e as restantes distribuídas por Coréia, Cingapura e, no Brasil, no estaleiro Techint.

Frisou Baptista que há muitos desafios e o grupo se prepara para vencê-los. Quanto à falta de mão de obra, a OSX criou o Instituto de Tecnologia Naval; procura-se sinergia com fornecedores, ou seja, criar cadeia de bens e serviços.

Fonte: Rio Marítimo – Sergio Barreto Motta

Brasil entra na mira da Maersk Drilling

A perspectiva de o Brasil se tornar um grande produtor de petróleo e os investimentos em andamento de empresas instaladas no país, não apenas a Petrobras, estão atraindo mais empresas do grupo dinamarquês Maersk. Depois de a empresa de serviços de apoio marítimo anunciar que quer aumentar sua frota de navios no país, a Maersk Drilling, braço de serviços de perfuração, busca oportunidades para afretar sondas para empresas instaladas aqui.

O principal executivo da Maersk Drilling, Claus Hemmingsen, informa que a empresa já está conversando com companhias de petróleo e estaleiros, cujos nomes não revela, mas ainda vê restrições a investimentos no país devido às regras de conteúdo local. No seu entendimento, o cumprimento dos compromissos de conteúdo local das empresas obriga que elas aluguem apenas sondas construídas no país usando equipamentos e pessoal brasileiros, e isso aumentaria custos.

“O conteúdo local tem impacto no modo de se fazer negócios aqui. E isso complica a situação porque quando se tem que pensar em alocar recursos no Brasil ou em outros países as regras de conteúdo local podem ser restritivas e acabam aumentando os custos”, afirma Hemmingsen.

O executivo chama a atenção ainda para outro desafio de investir no Brasil que é lidar com a falta de mão de obra qualificada, e ele vê como um desafio difícil a construção de sondas de perfuração complexas. “A tecnologia utilizada nessas embarcações é detida por empresas estrangeiras, principalmente da Noruega e dos Estados Unidos”.

Ele cita como exemplo um acordo recentemente firmado entre o governo brasileiro e o dinamarquês para treinar cadetes da Marinha em navios de bandeira dinamarquesa, já que não existem navios brasileiros suficientes para esse treinamento.

Desde o acidente do campo de Macondo, no Golfo do México em 2010, as empresas de petróleo e as prestadoras de serviços, como é o caso da dinamarquesa, estão mudando procedimentos e padrões mais rígidos para se adequar às novas regras de segurança e também evitar indenizações bilionárias. A Maersk tem um centro de treinamentos em Svendborg, na Dinamarca, desde 1978 e depois da explosão da plataforma de sua concorrente Transocean em Macondo foram feitos mais investimentos para treinar equipes de perfuração, com simuladores. A ênfase é no controle de poços, emergências e gestão de crises.

A Maersk Drilling tem uma frota de 26 sondas de perfuração que estão operando sob contrato no Mar do Norte, África e Golfo do México, regiões que hoje competem com o Brasil pelos investimentos da indústria de petróleo. Existem ainda outras sete sondas em construção, quatro no estaleiro Samsung (Coréia) e três no Keppel (Cingapura), que vão custar US$ 4,5 bilhões. Mesmo ainda nos estaleiros, cinco embarcações já têm contrato de aluguel.

Mesmo apontando o que considera regras restritivas para investimentos, Claus Hemmingsen acha que é possível investir e até construir sondas no Brasil, desde que a empresa tenha contratos de longo prazo.

“O Brasil pode fazer parte da nossa próxima onda de investimentos. Mas queremos saber antes se os estaleiros são capazes de construir essas embarcações, já que nossas sondas têm um padrão de altíssima qualidade. Essa é uma regra nossa para o mundo inteiro e nos sentiremos confortáveis [para encomendar aqui] quando virmos que o estaleiro já fez esse trabalho antes”, afirma.

Onze empresas do grupo Maersk já operam no Brasil em setores como navegação de longo curso (Maersk Line, Mercosul Line), apoio a plataformas (Maersk Supply Services), exploração e produção (Maersk Oil), terminais marítimos, tancagem e trading, entre outros negócios.

No ano passado a Statoil e sua parceira Sinochem pagaram US$ 1 bilhão à Maersk pela FPSO Peregrino, uma das plataformas de produção instalada pela norueguesa na Bacia de Campos. A venda faz parte da decisão do grupo de se desfazer de todas as suas cinco plataformas de produção. O grupo já investiu cerca de US$ 2 bilhões no Brasil, onde emprega 2,3 mil funcionários dos 108 mil empregados globalmente.

Fonte: Valor Econômico

segunda-feira, janeiro 28, 2013

Início de Poço

Perfuração sem Riser:
 
A perfuração sem riser caracteriza-se pelo não retorno do fluido de perfuração para a superfície, ou seja, o poço não é “trazido” para a sonda. É o chamado “início de poço” ou “spud in”, que inclui a descida dos revestimentos estruturais. A instalação do condutor de 30″ pode ser feita pelo sistema convencional, descendo-o após a perfuração com broca de 26″ e “hole opener” de 36″, e neste caso o condutor é cimentado. Também pode ser posicionado simultaneamente à perfuração, e neste caso a operação denomina-se jateamento. Para isso utiliza-se uma ferramenta denominada Jet Cam e BHA com motor de fundo. Após a penetração do condutor de 30″ (em geral 3 tubos) e assentamento da base de jateamento no “mud line”, libera-se o mandril da Jet Cam (a camisa fica travada no alojador de baixa pressão ou “conductor housing”) e perfura-se avante a fase de 26″. A seguir, retira-se a coluna de jateamento (o mandril da Jet Cam é reconectado na camisa e o conjunto é trazido de volta à superfície) para descida posterior do revestimento de 20″. O alojador de alta pressão (“housing”) é conectado na última junta de 20″ e travado no alojador de baixa, cimentando-se o revestimento até o “mud line”. Atualmente, a grande maioria das operações de início de poço é do tipo jateamento.
 

domingo, janeiro 27, 2013

Tipos de Poços Direcionais

a) Tipo I ou Slant – Caracteriza-se por ter o ponto de desvio (KOP) a baixa profundidade, um trecho de ganho de ângulo e depois um trecho com inclinação constante até atinge o alvo. É o tipo de direcional mais comum por ser simples e econômico.
 
b) Tipo II ou em “S” – Caracteriza-se por ter um trecho de ganho de ângulo, um trecho reto e inclinado e um trecho com perda de ângulo. O poço pode atingir o alvo na vertical ou não. Este tipo de poço é executado quando o afastamento do alvo é pequeno em relação à profundidade do objetivo. Tem como desvantagens o alto desgaste do revestimento e da coluna de perfuração, os altos torques e arrastes, e o aumento da possibilidade de formação de chavetas.
 c)  Tipo III – Caracteriza-se por ter o KOP a grande profundidade, e um trecho de ganho de ângulo para atingir o alvo. É muito utilizado para aproveitamento de poços já perfurados.
 
d) Horizontal – Caracteriza-se por ter inclinação final perto de noventa graus. Sua vantagem é ter uma maior área exposta no reservatório.
 
 Eles são utilizados preferencialmente em formações delgadas, em formações naturalmente fraturadas, reservatórios com problema de cone de gás e de água, múltiplas formações com alto mergulho e como poços injetores. Atualmente, é o tipo de poço direcional mais perfurado no Brasil para produção e injeção.  
 
 
 
e) Poço de longo afastamento ou ERW (Extended Reach Well) – Possui um grande afastamento entre a locação da sonda e o alvo. Normalmente um poço é considerado ERW quando a relação entre o afastamento e a profundidade vertical final é maior que 2. Se produtores, normalmente terminam com um trecho horizontal no interior do reservatório.
f) Poços Multilaterais – Possuem a característica de ter um poço principal e pelo menos um lateral. Normalmente o poço principal e os laterais são horizontais.  Possuem apenas uma cabeça de poço. Eles são classificados em 6 tipos a depender do grau de complexidade da junção entre o poço principal e as ramificações. 

Fonte: Apostilha de perfuração.

Engenharia de Poço

A construção de poços é uma das atividades mais importantes da indústria de petróleo. Entre outras, cabe a Engenharia de Poços a tarefa de perfurar, testar e equipar os poços para que esses atendam aos requisitos de exploração ou produção.
Os riscos envolvidos na construção de poços podem ser altos. Erupções descontroladas de gás ou óleo, os chamados “Blowouts”, já foram a causa de perdas de vidas humanas, destruição de plataformas e danos ao meio ambiente. Por isso, a construção de um poço é considerada uma atividade de risco e que conseqüentemente requer o desembolso de grandes somas de dinheiro.
Existem várias classificações para os poços de petróleo. Dependendo da fase em que a área geográfica esteja, o poço a ser perfurado poderá ser classificado como Exploratório ou de Desenvolvimento (ou Explotatório). Por ser perfurado na fase exploratória, onde poucos dados da área geográfica estão disponíveis, o projeto de um poço exploratório pode ter características muito distintas de um projeto usado para perfurar um poço de desenvolvimento.
Os poços também podem ser terrestres (Onshore) ou marítimos (Offshore). Dependendo da profundidade de água da locação onde o poço irá ser perfurado, este pode ser classificado como sendo de água rasa (Shallow water), água profunda (Deepwater) ou água ultra-profunda (Ultra Deepwater).
Ao terminar a perfuração de um poço, é necessário deixá-lo em condições de operar de forma segura e econômica. Ao conjunto de operações destinadas a equipar o poço para produzir hidrocarbonetos ou injetar fluidos nas formações, denomina-se Completação.
São várias as formas de classificar a completação dos poços. Quanto ao posicionamento da cabeça do poço, isto é, se esta está localizada na superfície ou no fundo do mar, a completação pode ser classificada como seca ou molhada. A completação é classificada como sendo “A Poço Aberto”, se esta nenhum revestimento é colocado em frente da zona produtora. Por outro lado, ela é dita “A Poço Revestido” se um revestimento de produção é colocado em frente da zona produtora. Finalmente, a completação pode ser simples ou múltipla, dependendo se a produção ocorrer de uma única zona produtora ou se for proveniente de vários intervalos produtores diferentes colocados para produzir independente de cada um.
 
créditos:Prof.: Luiz Alberto S. Rocha,
PhD, Louisiana State University.
Professor de Engenharia de Poço I & II
 

sábado, janeiro 26, 2013

OGX: ANP autoriza perfuração de poço em Tubarão Martelo

No começo do mês, a empresa iniciou a operação de seu terceiro poço no campo de Tubarão Azul. Até então, sua produção diária estava em 10,1 mil barris de óleo equivalente (BOE) por dia.
 
São Paulo (SP) - A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) anunciou nesta sexta-feira a liberação para perfuração e completação do poço 7-TBMT-10H-RJS, no Campo Tubarão Martelo, operado pela companhia de petróleo de Eike Batista, a OGX.
A expectativa da companhia é produzir o primeiro óleo do campo de Tubarão Martelo no quarto trimestre do ano. A chegada da plataforma flutuante de produção e armazenamento (FPSO) OSX-3 está prevista para o terceiro trimestre.
No começo do mês, a empresa iniciou a operação de seu terceiro poço no campo de Tubarão Azul. Até então, sua produção diária estava em 10,1 mil barris de óleo equivalente (BOE) por dia.
Da Redação

Santos Offshore será bianual

A 7ª edição da Santos Offshore será realizada de 8 a 11 de abril de 2014, adequando-se ao calendário dos mais expressivos eventos Offshore no Brasil e internacionais
 
Santos (SP) - O maior evento do setor de Exploração e Produção (E&P) do Estado de São Paulo passa a ser bianual. A 7ª edição da Santos Offshore será realizada de 8 a 11 de abril de 2014, adequando-se ao calendário dos mais expressivos eventos Offshore no Brasil e internacionais. A edição de 2012 recebeu 12.820 visitantes e teve mais de 100 expositores presentes.
O evento é organizado e promovido pela Reed Exhibitions Alcantara Machado.As parcerias com o Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), um dos mais representativos fóruns do setor, foram ampliadas e envolvem também a organização e promoção do evento, além da realização de seu congresso, fazendo crescer de forma sensível a abrangência da Santos Offshore."O IBP tem a satisfação de renovar essa parceria com a Reed, que já acontece na Brasil Offshore, em Macaé (RJ), para debater os desafios do segmento offshore na Bacia de Santos”, afirmou Álvaro Teixeira, secretário executivo do IBP.
“A mudança na formatação do evento proporciona que se discutam e sejam expostas transformações importantes que irão refletir e aprofundar a crescente importância da bacia de Santos para a produção nacional e global”, conclui Teixeira que deixa essas mudanças como seu último legado, dentre as muitas e importantes contribuições de sua administração, prestes a se encerrar.
As transformações que a parceria faz na formatação do evento correspondem às altas taxas de crescimento já observados na camada pré-sal da bacia petrolífera de Santos e seu imenso impacto previsto para a economia daquela região metropolitana.A produção total na camada do pré-sal em 2012 (o que inclui prospecção nas bacias de Santos e Campos - RJ) é de 230 mil barris diários, quase 12% da produção total da Petrobras que se eleva a 1,94 milhão de barris diários. Para 2014, apenas a camada pré-sal deve responder por 16% da produção nacional, expandindo sua importância decididamente para até 31% no ano de 2016.
O campo de Sapinhoá (ex-Guará), na Bacia de Santos, iniciou operações nesse mês de janeiro e tem capacidade para 120 mil barris diários. Logo após está prevista a entrada em produção do navio-plataforma Cidade de Itajaí, no campo de Lula, na Bacia de Santos, com 80 mil barris por dia. A terceira nova unidade no pré-sal é a plataforma Cidade de Paraty, no campo de Lula Nordeste também com capacidade de 120 mil barris ao dia.
A Bacia de Santos encerrou o 2012 com uma produção de cerca de 135 mil barris de petróleo diários, considerando a Petrobras e a fatia dos parceiros.Panorama semelhante é registrado na produção de gás. A Petrobras finaliza no início de 2014 a ampliação da Unidade de Tratamento de Gás de Caraguatatuba (UTGCA). A oferta de recepção de gás vai crescer 11%, dos atuais 18 milhões de metros cúbicos por dia para 20 milhões de metros cúbicos diários.O grande benefício será o aumento da capacidade para tratar o gás oriundo do pré-sal da bacia em 67%, para 10 milhões de metros cúbicos. A ampliação está dividida em duas fases, a primeira ficará pronta em julho de 2013; a segunda, ainda no primeiro trimestre de 2014.Igor Tavares, diretor da Santos Offshore, não tem dúvidas que com as mudanças, o evento vai superar todos os números alcançados nas edições anteriores.
“Com o grande crescimento que a Bacia de Santos experimenta, a tendência do evento é acompanhar esse ritmo. O novo patamar que a prospecção de petróleo e gás no Brasil vai registrar nos próximos anos; transformando-se, paulatinamente, em um dos maiores produtores do mundo; exige uma adequação e integração dos maiores eventos e congressos da área que são feitos no País, além de se encaixar no ciclo de produção do pré-sal”.Tavares se refere também aos eventos Brasil OffShore (realizado pela Reed Alcantara em parceria com o IBP, que acontece em junho desse ano, em Macaé no Rio de Janeiro e para o qual se espera até 51 mil visitantres e 700 expositores); além dos dois outros realizados sempre no segundo semestre: o OTC Brasil e a Rio Oil & Gas Expo and Conference. Todos esses três eventos já tem periodicidade bianual.
O maior evento do setor de Exploração e Produção (E&P) do Estado de São Paulo passa a ser bianual. A 7ª edição da Santos Offshore será realizada de 8 a 11 de abril de 2014, adequando-se ao calendário dos mais expressivos eventos Offshore no Brasil e internacionais. A edição de 2012 recebeu 12.820 visitantes e teve mais de 100 expositores presentes. O evento é organizado e promovido pela Reed Exhibitions Alcantara Machado.
As parcerias com o Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), um dos mais representativos fóruns do setor, foram ampliadas e envolvem também a organização e promoção do evento, além da realização de seu congresso.
"O IBP tem a satisfação de renovar essa parceria com a Reed, que já acontece na Brasil Offshore, em Macaé (RJ), para debater os desafios do segmento offshore na Bacia de Santos”, afirmou Álvaro Teixeira, secretário executivo do IBP. “A mudança na formatação do evento proporciona que se discutam e sejam expostas transformações importantes que irão refletir e aprofundar a crescente importância da bacia de Santos para a produção nacional e global”, conclui Teixeira que deixa essas mudanças como seu último legado, dentre as muitas e importantes contribuições de sua administração, prestes a se encerrar.
As transformações que a parceria faz na formatação do evento correspondem às altas taxas de crescimento já observados na camada pré-sal da bacia petrolífera de Santos e seu imenso impacto previsto para a economia daquela região metropolitana.
A produção total na camada do pré-sal em 2012 (o que inclui prospecção nas bacias de Santos e Campos - RJ) é de 230 mil barris diários, quase 12% da produção total da Petrobras que se eleva a 1,94 milhão de barris diários. Para 2014, apenas a camada pré-sal deve responder por 16% da produção nacional, expandindo sua importância decididamente para até 31% no ano de 2016.
O campo de Sapinhoá (ex-Guará), na Bacia de Santos, iniciou operações nesse mês de janeiro e tem capacidade para 120 mil barris diários. Logo após está prevista a entrada em produção do navio-plataforma Cidade de Itajaí, no campo de Lula, na Bacia de Santos, com 80 mil barris por dia. A terceira nova unidade no pré-sal é a plataforma Cidade de Paraty, no campo de Lula Nordeste também com capacidade de 120 mil barris ao dia. A Bacia de Santos encerrou o 2012 com uma produção de cerca de 135 mil barris de petróleo diários, considerando a Petrobras e a fatia dos parceiros.
Panorama semelhante é registrado na produção de gás. A Petrobras finaliza no início de 2014 a ampliação da Unidade de Tratamento de Gás de Caraguatatuba (UTGCA). A oferta de recepção de gás vai crescer 11%, dos atuais 18 milhões de metros cúbicos por dia para 20 milhões de metros cúbicos diários.
O grande benefício será o aumento da capacidade para tratar o gás oriundo do pré-sal da bacia em 67%, para 10 milhões de metros cúbicos. A ampliação está dividida em duas fases, a primeira ficará pronta em julho de 2013; a segunda, ainda no primeiro trimestre de 2014.
Igor Tavares, diretor da Santos Offshore, não tem dúvidas que com as mudanças, o evento vai superar todos os números alcançados nas edições anteriores. “Com o grande crescimento que a Bacia de Santos experimenta, a tendência do evento é acompanhar esse ritmo. O novo patamar que a prospecção de petróleo e gás no Brasil vai registrar nos próximos anos; transformando-se, paulatinamente, em um dos maiores produtores do mundo; exige uma adequação e integração dos maiores eventos e congressos da área que são feitos no País, além de se encaixar no ciclo de produção do pré-sal”.
Tavares se refere também aos eventos Brasil OffShore (realizado pela Reed Alcantara em parceria com o IBP, que acontece em junho desse ano, em Macaé no Rio de Janeiro e para o qual se espera até 51 mil visitantres e 700 expositores); além dos dois outros realizados sempre no segundo semestre: o OTC Brasil e a Rio Oil & Gas Expo and Conference. Todos esses três eventos já tem periodicidade bianual.
Fonte: Redação

sexta-feira, janeiro 25, 2013

Petrobras Distribuidora divulga edital com 44 vagas para nível médio

A Petrobras Distribuidora S.A. publicou no Diário Oficial da União desta quinta-feira (24) o edital do concurso público que oferece 44 oportunidades imediatas para cargos de nível médio. As remunerações variam de R$ 2.599,45 a R$ 3.132,34. Organizada pela Cesgranrio, a seleção será composta por provas objetivas para todos os postos e por provas de capacitação física para algumas funções. As informações podem ser encontradas a partir da página 150 da terceira seção.
Segundo o edital, há chances para os cargos juniores de técnico de administração e controle, técnico de contabilidade, técnico de operação, técnico de segurança e técnico de suprimento e logística. Os aprovados serão lotados no Distrito Federal e também nos estados de Mato Grosso do Sul, Rondônia, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Goiás, Pará, Minas Gerais, Roraima, Acre, Ceará, Rio Grande do Sul, Bahia, Amazonas, Santa Catarina, Rio Grande do Norte, Tocantins, Alagoas e Piauí.
Os novos servidores ainda terão direito a benefícios como vale-refeição, vale-transporte e assistência de saúde. Interessados podem se inscrever até 21 de fevereiro, pelo site www.cesgranrio.org.br. A taxa de participação é de 35. A primeira fase do concurso, a prova objetiva, terá duração de três horas e será aplicada no dia 14 de abril, em todas as regiões brasileiras.
 
 
Fonte: Diario de Pernanbuco

OSX oferece vagas para a UCN Açu

As vagas oferecidas são para as áreas administrativas, mecânica industrial, soldagem, montagem de estruturas e encanador
 
São João da Barra (RJ) - A OSX, empresa do Grupo EBX que atua na indústria naval e offshore, oferece vagas de cadastro reserva em diversas áreas para atuação na Unidade de Construção Naval do Açu, o maior estaleiro das Américas, que está sendo construído em São João da Barra, com o início de operação previsto para o primeiro trimestre de 2013. As oportunidades são para os níveis médio, superior e técnico.
As vagas oferecidas são para as áreas administrativas, mecânica industrial, soldagem, montagem de estruturas e encanador. Universitários também têm chance, pois eles podem se inscrever para uma vaga de estágio superior remunerado, desde que estejam a dois anos de concluir o curso. Por enquanto, a inscrição é para cadastro reserva e é necessário que o candidato tenha conhecimento do Pacote Office.
A empresa ainda disponibiliza vaga para Jovem Aprendiz, no cadastro reserva. Os pré-requisitos são ter Ensino Médio completo, residir em São João da Barra e ter entre 18 e 21 anos. Há oportunidade também, em cadastro reserva, para profissional portador de necessidades. É preciso ter interesse na área administrativa, conhecimento em informática e residir em São João da Barra.
Para mais detalhes sobre as vagas e envio de currículos, os interessados devem entrar no site www.osx.com.br , clicar no link “Portal do Candidato” e escolher a opção “Oportunidades Açu”.
Da Redação

quinta-feira, janeiro 24, 2013

Praia, biquíni e petróleo

A reportagem trata do aumento vertiginoso da procura de startups do setor petrolífero por firmas de investimentos estrangeiras para competir com produtores globais
 
Rio de Janeiro (RJ) - Brasil não consegue fugir a certos clichês quando visto por olhos estrangeiros. Até mesmo uma agência de notícias de prestígio internacional como a Bloomberg News recorreu à clássica imagem de uma mulher de biquíni na praia para ilustrar uma árida matéria sobre investimentos no setor petrolífero. A imagem mostra uma morena de corpo sinuoso tostando ao sol, enquanto dois navios petroleiros passeiam no horizonte.
A reportagem trata do aumento vertiginoso da procura de startups do setor petrolífero por firmas de investimentos estrangeiras para competir com produtores globais, como as petrolíferas Royal Dutch Shell e BP. A procura, diz a matéria, cresce à medida que o governo brasileiro se prepara para realizar novos leilões para a exploração de petróleo e gás no país, inclusive e sobretudo no pré-sul.
Os bilhões de dólares em operações que o setor petrolífero movimenta implicam um complexo modelo de financiamento e investimentos. São inúmeros agentes públicos e privados transitando numa intrincada estrutura financeira internacional.
Em meio a esse ambiente “hard” de negócios, não deixa de ser curiosa a escolha da cena bucólica praiana. Trata-se de um cenário revelador tanto dos “elementos naturais” que compõem um imenso país exótico, assentado sobre jazidas de óleo e gás, quanto do olhar desses que, de fora, nos observam sob certos estereótipos.
Fonte: Bloomberg

Casco da P-63 deve chegar em Rio Grande no final do mês

Ontem, quarta, dia 23, em reunião marcada para as 16h, a Praticagem da Barra de Rio Grande vai apresentar para a Quip S/A, Capitania dos Portos, Superintendência do Porto de Rio Grande (Suprg) e Conselho de Autoridade Portuária (CAP) do porto rio-grandino, entre outros, o plano para ingresso do casco da plataforma P-63 no porto. O casco dessa plataforma, já com seis módulos, saiu de Dalian (China), em 15 de novembro, e deve chegar na área de Rio Grande de 27 a 30 deste mês. O ingresso no porto está previsto para o próximo dia 31 e exigirá a execução de uma mega operação.

Quando entrar no porto, o casco da P-63 irá atracar no canteiro da Quip, empresa responsável pela construção dessa plataforma, localizado na avenida Honório Bicalho, na ponta sul do Porto Novo. Porém, para isso, será preciso tirar a plataforma P-58 do local e atracá-la no cais do Tecon. Essa operação será necessária porque as duas embarcações são grandes e com apêndices, o que impede a passagem de uma pela outra. Em função disso, no início da manhã do dia 31, a P-58 será rebocada para o cais do Tecon e, por volta do meio-dia, deve ter início a entrada do casco da P-63.

Concluída essa operação, às 6h, do dia 1º de fevereiro, a P-58 retorna ao cais da Quip. A base da P-63 irá atracar na área de cais, hoje ocupada pela P-58, e esta, depois, ficará no cais novo da empresa. Após a chegada no porto rio-grandino, o casco da P-63, resultante da conversão do navio tanque BW Nisa, receberá outros módulos, construídos em Rio Grande, e sua integração será completada.

A P-63, cujo custo total é de 1,3 bilhão de dólares, terá capacidade de produção de 140 mil barris de óleo por dia e de 1 milhão de m³ de gás. Será operada por uma Joint Venture entre a Quip e o Grupo BW Offshore, por um prazo de 36 meses antes de ser entregue, definitivamente, à Petrobras. Ela deve ficar pronta para operar, ainda, no primeiro semestre de 2013.

Fonte: Jornal Agora (RS)/Por Carmem Ziebell

quarta-feira, janeiro 23, 2013

OGX declara comercialidade na bacia do Parnaíba

Esta é a primeira comercialidade confirmada pela companhia, segundo a assessoria da OGX
 
Rio de Janeiro (RJ) - A OGX Petróleo e Gás informou nesta terça-feira que apresentou à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), através de sua subsidiária OGX Maranhão Petróleo e Gás, as declarações de comercialidade das acumulações Califórnia e Fazenda São José, descobertas no bloco PN-T-68, na bacia do Parnaíba. Esta é a primeira comercialidade confirmada pela companhia, segundo a assessoria da OGX.
De acordo com o comunicado, foram apresentadas à ANP declarações de comercialidade relativas à acumulação Califórnia, cuja nova denominação proposta é Campo de Gavião Azul, e a acumulação Fazenda São José, que deverá ser denominada, após a aprovação da Agência, de Campo de Gavião Real. "Os planos de desenvolvimento dos referidos campos já foram devidamente submetidos pela OGX à aprovação da ANP, encontrando-se ainda sob análise", informou a companhia.
Estas acumulações de Califórnia e Fazenda São José serão os primeiros campos de gás natural da OGX. A companhia estima que esses campos atinjam uma produção de 5,7 milhões de metros cúbicos/dia em 2013, o que deverá corresponder a uma produção total de 1,1 Tcf de gás.
O gás natural a ser produzido na região deverá ser preferencialmente fornecido para usinas termoelétricas a serem construídas pela MPX Energia em associação com a Petra Energia S.A., ambas parceiras da OGX no Bloco PN-T-68.
Mais óleo
Adicionalmente, a companhia informou a identificação de presença de hidrocarbonetos nos poços 1-OGX-34-MA e 3-OGX-38-MA, ambos no bloco PN-T-68, na Bacia do Parnaíba.
O OGX-34, poço pioneiro no prospecto Bom Jesus, encontrou 23 metros de net pay de gás em dois intervalos, nas formações Poti e Cabeças, sendo a terceira acumulação já descoberta na região. Já o poço OGX-38, primeiro poço delimitatório da acumulação Fazenda São José (descoberta pelo poço pioneiro OGX-22), encontrou 43 metros de net pay de gás, na formação Poti, superando as expectativas iniciais de volume para essa acumulação. Esse poço continua em perfuração, informou a companhia.
Da Redação

Bacia de Santos: Petrobras anuncia nova descoberta

Essa não foi a primeira notícia do mês relacionada às descobertas da empresa
 
Rio de Janeiro (RJ) - A Petrobras comunicou à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) indícios de hidrocarbonetos no Campo de Lula, na Bacia de Santos. A descoberta foi feita no poço 3BRSA1120RJS.
De acordo com a empresa, o poço está sendo perfurado em lâmina d'água de 2.180 metros.
Esse mês, a Petrobras já havia comunicado que o quinto poço perfurado após a assinatura do contrato de Cessão Onerosa mostrou petróleo de boa qualidade na área denominada Sul de Tupi, no pré-sal da Bacia de Santos.
Da Redação

terça-feira, janeiro 22, 2013

Plataforma Hi Tech expande alcance da Shell

Ferramentas digitas permitem explorar campos antes inacessíveis

O novo tipo de plataforma de perfuração desenvolvido pela Royal Dutch Shell para ajudar a extrair petróleo de profundidades oceânicas antes inacessíveis não se parece em nada com plataformas convencionais. Equipada com uma nova geração de tecnologias digitais, a Noble Bully 1 - um monstro de 30.270 toneladas, no tamanho de dois campos de futebol - pode guiar uma broca de 21,5 polegadas a milhares de metros abaixo da superfície da água para o centro de um alvo de cerca de um metro quadrado.

O desenho da plataforma ajuda a Shell a perfurar poços mais rapidamente, com mais segurança e a um custo mais baixo do que jamais ocorreu anteriormente. Noble Bully 1faz parte de uma revolução tecnológica que está impulsionando o "boom" de petróleo e gás da América do Norte e aumentando a independência energética do continente.

As inovações em informática, inclusive novas e poderosas ferramentas de imagens e de análises preditivas, estão tornando possível para empresas como Shell, BP e Chevron mapear e explorar campos de petróleo e gás antes inacessíveis, em formações rochosas e xisto, ou enterrados muito abaixo do fundo do mar e protegidos por grossas camadas de sal. "Desde que eu comecei, a água tem ficado mais profunda, os poços têm ficado mais fundos e a tecnologia tem ficado muito mais desafiadora", diz David Loeb, gerente de operações de águas profundas da Shell no Golfo do México, que ingressou na companhia em 1975.

Sustentabilidade, precisão e segurança em até 12 km abaixo do fundo do mar

Cerca de dois metros mais estreita e de 60 a 70 metros mais curta que plataformas marítimas convencionais, a Noble Bully 1 pode operar em profundidades de 50 a 2,5 mil metros de água - e até 3,5 quilômetros, com alguns reforços de segurança. A Shell afirma que pode perfurar até 12 quilômetros abaixo do fundo do mar. Uma outra plataforma que usa o mesmo desenho, a Noble Bully 2, opera no litoral do Brasil.

A principal distinção da Noble Bully 1 é sua torre branca totalmente fechada, que substitui a estrutura de grua aberta - muito utilizada em plataformas de petróleo há gerações. A torre fechada envolve dois guindastes - um para perfuração ativa e o outra para unir tubos de 12 metros que vão da plataforma para dentro da terra, quilômetros abaixo. Embora menor, a Bully, segundo a Shell, tem tanta potência de indução e capacidade de armazenagem quanto plataformas de perfuração convencionais. A tecnologia da Bully - que inclui GPS embutido, sensores de vento, sensores de movimento, bússolas, um sistema hidráulico e motores de propulsão controlados por computador no fundo da embarcação - permite à Shell perfurar poços com mais precisão. Loeb ajudou a conceber e agora administra a Bully, que foi desenvolvida pela Shell e pela Frontier Drilling, hoje pertencente à Noble Corp.

A Noble Bully 1 é operada pela Noble, que tem a Shell entre seus acionistas. A embarcação está perfurando poços para uma nova plataforma (a Olympus), que vai prover a infraestrutura de superfície para dois desenvolvimentos de águas profundas, a West Boreas e a Sout Deimos. A Olympus vai ser uma plataforma de pernas tensionadas, um tipo que flutua no mar como uma rolha, amarrada com cabos ao fundo do oceano.

O projeto, conhecido como B Mars, tem contado totalmente com nova tecnologia. A Shell explorou a área em 2007, usando um novo tipo de tecnologia sísmica chamada sensoriamento remoto do fundo do mar, que substituiu cabos fixos equipados com dispositivos de escuta submarina por cabos móveis mais leves, mais próximos do piso do Golfo. Outras empresas também usam a tecnologia, informou a Shell.

Os novos sensores captam mais dados que as explosões sônicas enviadas por uma plataforma de exploração. Ao identificar a área, os cientistas da Shell trabalham em terra para analisar os dados com inteligência artificial (que a própria empresa desenvolveu) e produzem mapas em três e quatro dimensões dos depósitos de petróleo, utilizando chips de computadores semelhantes aos encontrados em videogames avançados - o que facilita a navegação da tripulação.

A plataforma também tem submarinos não tripulados, equipados com braços robóticos e câmeras de vídeo de alta definição que, se necessário, podem ser dirigidos para a operação de perfuração no fundo do oceano.

A Noble opera a plataforma de perfuração altamente automatizada, com 160 trabalhadores - 40% menos do que o exigido por uma plataforma de perfuração tradicional. A economia com pessoal reduz os custos operacionais e melhora a segurança, já que diminui o número de pessoas na zona de perfuração. A plataforma menor também contém menos aço e usa menos combustível do que os modelos mais convencionais, sendo mais sustentável.

A Shell informa que nunca teve um grande vazamento em mais de 30 anos de perfuração em águas profundas, mas a segurança é um tópico quase constante nas conversas a bordo do Bully, onde qualquer pessoa, mesmo visitantes, tem a autoridade para parar as atividades caso ache que algo está errado, diz um dos diretores da plataforma
Fonte: The Wall Street Journal

Estaleiro do Paraguaçu entra em licitação da Petrobras de R$ 2 bilhões

O estaleiro é uma associação entre as construtoras Odebrecht (35%), OAS (17,5%), UTC (17,5%) e a japonesa Kawasaki (30%), fabricante de motos que também atua há 130 anos no setor naval
 
Com a matriz ainda em construção na Bahia e apenas 15 meses após sua idealização, o Estaleiro Enseada do Paraguaçu já soma contratos de US$ 6,5 bilhões por dez megaembarcações destinadas à Petrobras, incluindo seis sondas para o pré-sal.
O Enseada do Paraguaçu entrará nas próximas semanas em mais uma concorrência bilionária da Petrobras para plataformas, apesar de ainda faltar um ano para o estaleiro principal iniciar suas operações.
"Tem muita coisa pela frente. O problema é que também tem muita gente construindo estaleiro. Precisa de competitividade, produtividade e gestão. Quem sair na frente (sem atrasar), terá vantagem", disse o presidente da empresa, Fernando Barbosa, sobre as próximas oportunidades de negócio com a petroleira. "É um desafio enorme".
O EEP é um dos oito "estaleiros virtuais" em construção no País - um assunto que deixa a presidente da Petrobras, Graça Foster, preocupada com a possibilidade de atrasos no programa de produção da estatal.
O estaleiro é uma associação entre as construtoras Odebrecht (35%), OAS (17,5%), UTC (17,5%) e a japonesa Kawasaki (30%), fabricante de motos que também atua há 130 anos no setor naval. O principal contrato (US$ 4,8 bilhões) do EPP, por meio da gestora Sete Brasil, é para a construção de seis das 28 sondas de perfuração de águas ultraprofundas para o pré-sal. A primeira começa a ser montada durante a conclusão do estaleiro principal em Maragojipe (BA).
O restante das encomendas está na transformação de quatro cascos de navios petroleiros em plataformas (P-74, P-75, P-76 e P-77) que serão alocadas na área da cessão onerosa. A conversão é feita pelo EEP no estaleiro Inhaúma, arrendado pela Petrobras e em operação no Rio de Janeiro.
Do Estadão com informações da redação

segunda-feira, janeiro 21, 2013

Funções de uma Equipe de Perfuração

Encarregado de Sonda (Tool Pusher)
É o misto de gerente com amplas atribuições e torna-se operador em situações delicadas ou de emergência, o encarregado de sonda é elemento vital para a qualidade e segurança dos trabalhos. Tem por principais funções o planejamento operacional, a priorização de recursos, o treinamento de sua equipe e uma constante atuação na prevenção há acidentes. Os bons encarregados orientam e alertam seus subordinados quando aos inúmeros e sempre presentes riscos de acidentes. O menor descuido e lá se vai um dedo, esmaga-se um pé, sofre-se em forte impacto, cai uma ferramenta dentro do poço, perde-se o controle de um poço, etc.<
 
Sondador (Driller):
É o trabalhador que permanece todo o tempo na plataforma de trabalho, em uma cabine onde manipula alavancas, botões, chaves, monitora múltiplos parâmetros (peso, vazão, pressão, temperatura, níveis de tanques, inclinações do poço, etc) e orienta sua equipe composta de: assistente de sondador, torrista, 4 plataformista e auxiliares eventuais. Alguns destes trabalhadores estão em seu campo de visão direta, outros são comandados por telefone, intercomunicadores e rádios walk talk. O trabalho do sondador possui alta carga mental e cognitiva contemplando cálculos, monitoração de painéis, manipulação de instrumentos que exige grande perícia, além de requerer forte e imprescindível liderança sobre a equipe. Na cabine do sondador da unidade existem 12 painéis de informação e controle.

Assistente de Sondador (Driller Assistant)
A complexidade dos trabalhos nas UPMs modernas exige a atuação de dois sondadores (1° e 2° sondadores) ou de um sondador e um assistente. Cumpre ao assistente orientar, lado a lado, os plataformistas e torrista em suas atividades e auxiliar o sondador durante certas manobras. Um bom assistente de sondador é capaz de realizar quase todas as operações que o sondador realiza.

Torrista (Derrick Man)
Durante as manobras (descidas ou retiradas de coluna) o torrista fica no alto (daí a denominação torrista), na plataforma do torrista (monkey board) a mais ou menos 30m de altura, onde arranja as seções de tubos nos garfos dos estaleiros. Neste período trabalha solitário e dispõe de recurso frágil e arriscado para fugir no caso de alguns acidentes graves como fluxo descontrolado do poço ou incêndio. Quando a sonda não está em manobras de tubos o torrista é reponsável pelo sistema de fluidos (confeccionar e tratar o fluido que é de grande importância ao sucesso das operações), além de realizar manuntenção nos tanques de lama.

Plataformista (Roughnecks)
É o início de carreira na equipe de sonda, os plataformistas, em número de quatro, executam os trabalhos mais pesados e se expõem aos maiores riscos. Trata-se de trabalho que exige habilidade, força e resistência física uma vez que manipulam ferramentas complexas e pesadas, efetuam trabalhos em grandes alturas, suspensos em cadeiras que lembram trapézios, conectam e ajustam equipamentos para descida no poço, onde pequenos descuidos podem levar à grandes prejuízos, etc. Em algumas sondas, plataformista que não conseguir fazer carreira nem obter outra opção de trabalho, enfrentam o desafio de um trabalho penoso aos 50 anos de idade ou mais.

Guindasteiros (Crane Operators)
O trabalho dos Guindasteiros é bastante difícil, posto que estes movimentam cargas entre as plataformas e rebocadores sob condições dinâmicas do mar e em espaços bastante reduzidos, exigindo grande concentração e perícia, além de grandes cuidados com a segurança.

Homens de Área (Roustabouts)
Os Homens de Área cuja aspiração profissional é muitas vezes tornarem-se plataformistas, guindasteiros ou mecânicos, trabalham na movimentação de cargas junto ao guindasteiro e sob o comando do contramestre de movimentação de cargas; efetuam serviços de limpeza e manutenção geral do convés principal e auxiliam, eventualmente trabalhos na sonda de perfuração. Trata-se de atividades fatigantes e muito perigosas, exigindo grande atenção e conhecimento de inúmeros procedimentos de segurança.

O termo roustabout foi pejorativamente abrasileirado para arrasta baldes, uma vez que lavar o convés é parte do trabalho dos homens de área.
Fonte: http://www.universodopetroleo.com.br

Leilões só vão elevar produção de petróleo após 2020

O governo federal admite que a licitação, tão desejada pelas empresas do setor, como a Petrobras, só deve gerar resultados práticos depois de 2020
Segundo uma fonte qualificada da área energética do governo, o avanço do consumo dos combustíveis neste ano deve ser de 5%
Brasília - A nova rodada de leilões de blocos para exploração de petróleo, prevista para maio, não deve provocar aumento de produção até o fim da década.
Mesmo diante de uma explosão no ritmo de importação de combustíveis, de 70% entre 2011 e 2012, para fazer frente à crescente demanda interna, o governo garante que a demora de pelo menos sete anos entre os leilões e o início efetivo da comercialização do petróleo que será extraído dos novos campos não será um problema.
Segundo uma fonte qualificada da área energética do governo, o avanço do consumo dos combustíveis neste ano deve ser de 5%, próximo à projeção de crescimento da economia feita pelo Ministério da Fazenda.
Esse aumento é inferior ao avanço de 6,3% do consumo em 2012, quando a economia cresceu em torno de 1%. Ao mesmo tempo, a oferta dos blocos já em exploração pelas empresas deve aumentar.
"O que está afetando nossa produção são atrasos na chegada de sondas importadas, demora para produção de novas plataformas, em parte por causa da dificuldade para testar novos estaleiros", disse a fonte.
Para o governo, a 11.ª rodada de leilões para exploração de petróleo, que vai envolver 172 blocos exploratórios, servirá para aumentar o conhecimento das bacias geológicas brasileiras e para "movimentar" a cadeia produtiva do setor.
"Não é nosso objetivo aumentar a produção de combustíveis. Isso é consequência, mas antes da exploração não podemos determinar se isso será relevante ou não", disse uma fonte.
 
Fonte: Exame.

domingo, janeiro 20, 2013

Homem de Área

Os Homens de Área (Roustabouts), cuja aspiração profissional é muitas vezes tornarem-se plataformistas, guindasteiros ou mecânicos, trabalham na movimentação de cargas junto ao guindasteiro e sob o comando do contramestre de movimentação de cargas; efetuam serviços de limpeza e manutenção geral do convés principal e auxiliam, eventualmente trabalhos na sonda de perfuração. Trata-se de atividades fatigantes e muito perigosas, exigindo grande atenção e conhecimento de inúmeros procedimentos de segurança. O termo roustabout foi pejorativamente abrasileirado para arrasta baldes, uma vez que lavar o convés é parte do trabalho dos homens de área. O Contramestre de movimentação de cargas (CMM) coordena, na área externa, a movimentação de cargas, em contato com a sala de controle, o almoxarife, a sonda e os rebocadores. O mesmo deve ter muita habilidade para acomodar na plataforma uma grande quantidade de materiais em um espaço exíguo, o que exige freqüentes movimentações de cargas.
O salário de um Homem de Área varia de R$2.000 a R$3.500 dependendo da empresa.
Ingressar como Homem de Área é uma vantagem pois é uma função onde as exigências para contratação são poucas. Não é exigido ensino superior e a maioria das vezes também não é necessária experiência, e esse período como Homem de Área, é um bom tempo para você conhecer e decidir pra onde ir. É muito importante realizar um curso teórico para ter noções básicas.
Por este motivo desenvolvemos um dos melhores cursos com todas as informações necessarias para preparar o aluno para exercer suas atividades na movimentação de cargas seguindo as normas de segurança, com todas as informações necessárias sobre a função, curso totalmente OnLine “Curso Homem de Área Plataformas de Petróleo”, Saia na frente para você conseguir a tão importante oportunidade e dai pra frente é só aproveitar as oportunidades que surgirem. Este curso tem sido a porta de entrada para quem deseja trabalhar embarcado ou mesmo para quem não tem experiência e deseja adquirí-la mesmo trabalhando on-shore como Aux. de Movimentação de Cargas.
 

Lucro da Schlumberger cai 3,7% no quarto trimestre

Analistas consultados pela “Thomson Reuters” previam lucro por ação de US$ 1,07 e receita de US$ 10,82 bilhões.
 
O lucro líquido da Schlumberger, maior prestadora de serviços para campos de petróleo do mundo, caiu 3,7% no quarto trimestre, US$ 1,36 bilhão, ou US$ 1,02 por ação. A empresa apurou ganhos de US$ 1,41 bilhão um ano antes, ou US$ 1,05 por ação. O faturamento aumentou 8,5% entre outubro e dezembro, para US$ 11,17 bilhões, na comparação anual.
 
A receita com serviços em campos de petróleo na América do Norte, região em que gera a maior parte do faturamento, subiu 3,6%, ante o terceiro trimestre, para US$ 3,41 bilhões.
Na região da Europa, Comunidade de Estados Independentes e África, caiu 1%, na mesma base de comparação, para US$ 1,96 bilhão. O faturamento conjunto no Oriente Médio e Ásia subiu 9,6% e somou US$ 2,58 bilhões.
Na América Latina, subiu 11% em relação aos meses de julho a setembro e atingiu US$ 2,07 bilhões.
Fonte: Dow Jones

sábado, janeiro 19, 2013

Como conseguir um “empregão” na Petrobras

São Paulo – Não é à toa que a Petrobras, segundo a última pesquisa da Cia. de Talentos, é a empresa dos sonhos dos jovens brasileiros. Conseguir um emprego na companhia pode não ser tarefa das mais fáceis, já que os concursos são bem concorridos. No entanto, uma vez lá dentro, as portas se abrem para a ascensão profissional.

“O jovem enxerga a possibilidade de ter desenvolvimento dentro da carreira”, diz Lairton Correa, gerente de gestão de efetivo da Petrobras. Entre os benefícios promovidos pela política de RH da empresa, há auxílio educação, com bolsas para escolas técnicas e superiores e incentivos para pós-graduação, mestrado e MBA. Além disso, ao colocar os pés na empresa, o profissional passa por capacitação dirigida às necessidades do mercado de óleo e gás na Universidade Petrobras, antes de começar a trabalhar.

“Eu entrei como funcionário de nível médio, ganhei bolsa, fiz faculdade e 3 pós-graduações”, conta Correa, que tem 38 anos de casa. Aliás, a média de tempo dos funcionários na companhia é de 17 anos, segundo ele. “Aqui o funcionário entra para ficar a vida toda”, diz Correa.

De júnior a presidente

A possibilidade real de crescimento estimula os funcionários a ficarem na empresa. Anualmente todos os profissionais são avaliados. Dependendo do seu desempenho, o funcionário vai mudando de nível dentro de sua categoria ( júnior, pleno e sênior). Cada categoria tem 5 níveis. “Por ano ele pode subir de 1 a 3 níveis. Se ganhar um nível por ano, em 5 anos, ele passa de júnior a pleno, por exemplo”, explica Correa.

O mesmo método é utilizado na passagem de profissional pleno a sênior. “Depois disso, ele ainda pode ser consultor ou gerente. Todos os gerentes da companhia são selecionados entre os funcionários concursados”, diz o gerente de efetivo da companhia.

Chegar a diretor ou à presidência da empresa também é possível, mas vai depender de eleição do Conselho de Administração da Petrobras e nomeação da presidência da República. Já o conselho, por sua vez, é eleito pela assembleia de acionistas, que tem na União sua acionista majoritária. A atual presidente, Maria das Graças Foster – que assumiu o cargo no ano passado -, é executiva de carreira na companhia, mas seu antecessor, Sérgio Gabrielli – que comandou a companhia entre 2005 e 2012 -, veio do mercado, por indicação. Atualmente, toda a direção da empresa é formada por executivos de carreira, segundo a Petrobras.

Fonte: Exame

País exportará 1,5 mi barris de petróleo por dia em 10 anos

Rio de Janeiro – A diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis, Magda Chambriard, disse nesta quinta-feira que, graças ao pré-sal, o Brasil poderá dobrar sua produção de petróleo nos próximos anos e se tornar um grande exportador da

Segundo ela, o Brasil estima nos próximos 10 anos dobrar produção e reserva de petróleo. “Se isso acontecer conforme o planejado, e o desenvolvimento pretendido pelo pré-sal, nós seremos capazes de exportar 1,5 milhão de barris de petróleo por dia”.

“Isso nos colocará como exportadores do porte da Noruega, por exemplo”, disse Magda em evento de lançamento de navio petroleiro da Transpetro, no Estaleiro Mauá, em Niterói, Rio de Janeiro.

Magda também falou que será dobrada nos próximos 10 anos a produção e o consumo nacional de óleo diesel.

As descobertas já feitas no pré-sal garantem um volume adicional nas reservas brasileiras da ordem de 15 bilhões de barris de petróleo, o que praticamente dobra as reservas atuais, segundo a autoridade.

Fonte: REUTERS

Brasil é o 6º maior consumidor de petróleo, diz AIE

O uso mais forte das usinas termelétricas já se reflete no consumo global de petróleo e derivados no Brasil. Com represas baixas e a maior participação das usinas a diesel na produção elétrica, o Brasil ultrapassou a Arábia Saudita e chegou ao sexto lugar no ranking dos maiores consumidores de petróleo no mundo em outubro. A menor mistura de etanol à gasolina também reforçou a demanda. As informações constam de relatório divulgado nesta sexta-feira pela Associação Internacional de Energia (AIE).

Segundo o documento divulgado nesta manhã em Paris, o Brasil consumiu média de 3,193 milhões de barris por dia em outubro, volume 9,3% maior que o visto um ano antes. Atrás do Brasil, a Arábia Saudita consumiu média de 3,116 milhões de barris no mesmo mês. Assim, o Brasil ficou em sexto no ranking liderado pelos Estados Unidos, China, Japão, Índia e Rússia.

“O Brasil ultrapassou a Arábia Saudita no sexto lugar do ranking dos Top 10 consumidores de petróleo em outubro com o aumento do consumo na comparação mês a mês de 160 mil barris por dia ante uma queda média de 5 mil barris por dia vista nos últimos cinco anos”, diz o relatório.

“A demanda por diesel cresceu com o uso adicional na geração elétrica requerido para compensar o suprimento diante das secas nas hidrelétricas”, cita o texto. Segundo o relatório, o consumo brasileiro de diesel aumentou, na média, em 75 mil barris por dia em outubro.

Outro fator que aumentou o consumo do petróleo é a gasolina. Segundo a entidade, a menor mistura de etanol ao combustível brasileiro aumentou a demanda pelo derivado de petróleo na frota de veículos. Nesse caso, foram 60 mil barris adicionais no mês para a gasolina.

Para a AIE, os números devem se repetir em novembro, com um crescimento no consumo de cerca de 160 mil barris por dia – comparável ao registrado em outubro. Além do uso em termelétricas e na frota de veículos, a entidade observa que após meses com a atividade mais fraca, a economia apresentou “sinais claros de recuperação no fim do ano”, o que também deve aumentar a demanda.

O documento mostra, ainda, que o consumo de petróleo no Brasil deve crescer 2,7% em 2013. Segundo a AIE, o País deve alcançar neste ano consumo médio de 3,089 milhões de barris por dia, média de 80 mil barris diários a mais que o esperado para 2012. Confirmado o número, o Brasil deve retornar à sétima posição no ranking mundial dos maiores consumidores de petróleo este ano, atrás da Arábia Saudita, que deve terminar o ano com 3,167 milhões de barris diários.

sexta-feira, janeiro 18, 2013

Com mais de 70% de conteúdo local, Transpetro lança Rômulo Almeida

O navio tem capacidade para exportar 56 milhões de litros de derivados de petróleo.
 
Niterói (Rio de Janeiro) - Foi lançada nesta quinta-feira (17) no Estaleiro Mauá, no Rio de Janeiro, o navio de produtos Rômulo Almeida, da Transpetro (braço logístico da Petrobras). A embarcação foi concluída com índice de nacionalização de 72%, segundo a Transpetro. O Rômulo Almeida mede 183 metros de comprimento e pesa 48 mil toneladas de porte bruto.
“Com investimento de R$ 10,8 bilhões na encomenda de 49 navios, o Promef impulsionou o ressurgimento do setor naval. O Brasil já tem a quarta maior carteira do mundo de encomendas de navios”, ressaltou o presidente da Transpetro, Sergio Machado no evento.
Presentes na cerimônia, a diretora-geral da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), Magda Chambriard disse que é de extrema importância a construção de embarcações no Brasil.
“Este navio (Rômulo de Almeida) tem 70% de conteúdo local. Queremos cada vez mais construir navios com o máximo de conteúdo nacional”, pontuou.
O presidente do Sinaval, Ariovaldo Rocha fez um discurso otimista sobre o futuro da indústria naval brasileira.
“Tivemos uma década perdida, o que estamos vendo aqui hoje é mais que o renascimento da indústria naval. Temos um futuro grandioso pela frente”, esbravejou.
O navio terá duas mulheres no comando: a autoridade máxima será a paraense Hildelene Lobato Bahia, a primeira Comandante da Marinha Mercante Brasileira, ao lado da carioca Vanessa Santos Silva, a imediata (segundo posto na linha de comando). A tripulação contará com presença do cearense Diego Saraiva Monteiro, que é o primeiro oficial de máquinas do navio.
As três demais embarcações do Promef em operação são os Celso Furtado e Sérgio Buarque de Holanda, entregues pelo Estaleiro Mauá (RJ), e o suezmax João Cândido, pelo Estaleiro Atlântico Sul (PE)

Primeiro edital do Inova Petro aprova 31 projetos para segunda etapa

Programa visa a fomentar projetos inovadores na cadeia de fornecedores de bens e serviços do setor de petróleo e gás
 
Rio de Janeiro (RJ) - O primeiro edital de chamada pública do Programa Inova Petro recebeu 62 projetos de 38 empresas, correspondendo a pedidos de financiamento no valor de R$ 2,8 bilhões. Desse total, foram aprovados para a próxima etapa do programa 31 projetos de 20 empresas.
Lançado no ano passado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em conjunto com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Ministério da Ciência e Tecnologia, o programa visa a fomentar projetos inovadores na cadeia de fornecedores de bens e serviços do setor de petróleo e gás. O Inova Petro tem apoio técnico da Petrobras e orçamento de R$ 3 bilhões. Sua vigência é prevista até 2017.
De acordo com informação dada ontem (16) pelo BNDES, por meio de sua assessoria de imprensa, os projetos selecionados deverão apresentar, na nova etapa, seus planos de negócios de inovação, detalhando o desenvolvimento das tecnologias listadas no edital e vinculadas às atividades de exploração e produção offshore (em alto mar) de petróleo e gás natural na área do pré-sal.
Fonte: Agência Brasil

quinta-feira, janeiro 17, 2013

Perfuração de Poços Petróleo

A perfuração de um poço de petróleo é realizada através de uma sonda. Na perfuração rotativa, as rochas são atravessadas pela ação da rotação e peso aplicados a uma broca existente na extremidade de uma coluna de perfuração a qual consiste basicamente de comandos (tubos de paredes espessas) e tubos de perfuração (tubos de paredes finas). Os fragmentos das rochas são removidos continuamente através de um fluido de perfuração ou simplesmente lama, uma vez que sua base principal é a argila.

O fluido é injetado por bombas alternativas duplex ou triplex para o interior da coluna de perfuração através da cabeça de injeção, ou swivel, e retorna à superfície através do espaço anular formado pelas paredes do poço e a coluna. Ao atingir determinada profundidade, a coluna de perfuração é retirada do poço e uma coluna de revestimento de aço de diâmetro inferior ao da broca é descida no poço.

O anular entre os tubos de revestimento e as paredes do poço é cimentado com a finalidade de isolar as rochas atravessadas, permitindo então o avanço da perfuração com segurança. Após as operações de cimentação, a coluna de perfuração é novamente descida ao poço, tendo na sua extremidade uma nova broca de diâmetro menor do que a do revestimento para o prosseguimento da perfuração. Do exposto, percebe-se que um poço de petróleo é perfurado em diversas fases, caracterizadas pelos diferentes diâmetros das brocas.

Para iniciar um poço de petróleo necessita-se selecionar um tipo de sonda ou plataforma compatível com as características gerais da região onde será perfurado o poço. Os serviços realizados nas áreas marítimas são denominados (Off Shore). Já os serviços realizados nas áreas terrestres são denominados (On Shore). A seguir serão demonstrados alguns tipos de Sondas e plataformas destinadas à perfuração de um poço de petróleo.

Click no E-book (livro digital) abaixo para obter mais informações sobre perfuração, tipos de sondas de perfuração, métodos de perfuração de poços, sistema de segurança de poço – ESCP, ferramentas de manuseio da coluna, equipamentos de perfuração de superfície, fluído de perfuração, inicio do poço, operações rotineiras ou normais, descida de revestimento de um poço de petróleo, cimentação de poços de petróleo, operações especiais, classificação dos poços de petróleo.

GE firma contrato de US$ 500 milhões com a Petrobras

A GE Oil & Gas assinou um contrato de mais de US$ 500 milhões para fornecer equipamentos e serviços de turbomáquinas à Petrobras. Os equipamentos serão utilizados em quatro novas plataformas flutuantes de produção, armazenamento e descargas, identificadas como P-74, P-75, P-76 e P-77.

Todas estão localizadas na região da Cessão Onerosa nos campos do pré-sal da Bacia de Santos, no estado de São Paulo.

De acordo com a GE, os equipamentos e serviços de turbomáquinas vão gerar energia primárias para as FPSOs. Para isso serão utilizadas turbinas de gás aeroderivadas e geradores avançados, que moverão o gás por dutos com a ajuda de compressores. O equipamento também vai reinjetar CO2 e gás natural de volta ao poço para auxiliar na recuperação do petróleo.

A GE informou também que a ideia é de que parte dos componentes a serem utilizados nos equipamentos será produzida no Brasil em instalações a serem preparadas ainda no início de 2013. Dentre as operações que serão executadas no País estariam: operações de embalagem, testes e logística. Com informações do Canal Energia.

Fonte: O POVO Online

Petrobras procura parceiros para rodadas de petróleo

BRASÍLIA – A Petrobras está procurando e sendo procurada por parceiros para as próximas rodadas de blocos de petróleo, disse a presidente da estatal, Maria das Graças Foster.

Na semana passada, o governo confirmou a realização da 11a rodada de licitação de blocos de produção e exploração de gás e petróleo em maio e que fará o novembro o primeiro leilão sob o regime de partilha para o áreas do pré-sal.

Também foi anunciada na ocasião que até o final deverá ser realizado o primeiro leilão específico para áreas de gás e petróleo nao convencional, o chamado gas de xisto.

“Ótimo. Perfeito. Estamos trabalhando a toda carga, vamos participar”, disse a presidente da Petrobras sobre o leilão a jornalista após se reunir com o vice-presidente da República, Michel Temer.

Graça Foster disse que veio falar com Temer sobre a situação do fornecimento de gás no Brasil. Ela reiterou o discurso do governo de que não há possibilidade de faltar gás no país.

Ela citou a produção interna e o gás importadoo da Bolívia e disse que dois terminais de regaseificação que a Petrobras já possui estão trabalhando na metade da capacidade.

Ela acrescentou que o terceiro terminal, que fica na Bahia, será inaugurado até setembro deste ano.

Questionada sobre o eventual reajuste da gasolina e do diesel, Graça Foster disse que não comentaria o assunto.

Fonte: Reuters